Haxixe

Haxixe é uma substância extraída das folhas da Cannabis sativa, uma planta herbácea da família das Canabiáceas – a mesma planta usada para produzir maconha. Porém enquanto a maconha tem 4% de THC (tetrahidrocannabinol), o Haxixe concentra até 14%. No Brasil a Cannabis se adapta perfeitamente, por causa do clima tropical. O Haxixe se classifica em três tipos:

  • a erva que se obtém das folhas, caules e sementes secas da planta;
  • a resina que é feita do liquido que sai da planta;
  • e o óleo, que é a parte mais forte do Haxixe.

O consumo é feito através do fumo em cachimbos ou também ingerido sozinho ou com água em uma espécie de chá. É uma droga ilícita, sendo proibida de ser produzida, comercializada e consumida. Em alguns países, determinadas drogas são permitidas sendo que seu uso é considerado normal e integrante da cultura. O haxixe também é alucinógeno (causa alucinações aos que ingerem).

Como a maioria das drogas, o jovem além de ficar condicionado pelas reações que é causada no organismo, também ajuda a ser aceito pelo grupo de amigos que frequenta o que muitas vezes é o motivo que levam os jovens a usarem drogas para se ter um bom convívio no grupo.

O Haxixe causa muitos efeitos e alguns até variados dependendo do organismo daquele que ingere a droga. Assemelham-se aos efeitos da maconha, porém muitos mais intensos devido a grande diferença de THC. Alguns dos efeitos são:

  • boca seca;
  • aumento de apetite;
  • aumento da libido;
  • sorriso involuntário;
  • perda de interesse pelos estudos ou trabalho;
  • náuseas;
  • cefaléias (dores de cabeça)
  • euforia;
  • sensação de relaxamento;
  • queda da tensão arterial;
  • noção de tempo e espaço alteradas;
  • aumento da freqüência cardíaca;
  • prejuízo da memória recente.

A Europa é o maior consumidor do mundo, sendo que o mercado domina em Portugal e Irlanda, os dois com 90%. No caso da América do Sul o Paraguai é o primeiro, seguido da Colômbia e do Brasil.

A faixa de população que usa o haxixe é a mesma que usa a maconha, porém o haxixe é mais usado entre os que já iniciaram o consumo da maconha por causar efeitos mais intensos.

Efeitos a Curto e Longo Prazo e Dependência

Sintomas a curto prazo

 

Sintomas e sinais físicos: aumento da freqüência cardíaca. Aumento da pressão arterial sistólica quando se está deitado e a sua diminuição quando se está de pé. Congestão dos vasos conjuntivais (olhos vermelhos) e dilatação dos brônquios, diminuição da pressão intra-ocular, foto-fobia, tosse, diminuição do lacrimejo.

 

Sintomas psíquicos: euforia, que aparece minutos depois do consumo. Sonolência. Os pensamentos fragmentam-se e podem surgir idéias paranóicas. Intensificação da consciência sensorial, maior sensibilidade aos estímulos externos. Instabilidade no andar. Alteração da capacidade para a realização de tarefas que requeiram operações múltiplas e variadas, juntando-se a isto reações mais lentas e um déficit na aptidão motora, que persistem até 12 horas depois do consumo. Isto provoca uma considerável interferência na capacidade de condução de veículos e outras máquinas.

Efeitos a longo prazo

 

Efeitos físicos: nos fumadores produz bronquite e asma. O risco de contrair cancro do pulmão é maior, devido ao fumo ser inalado de uma forma mais profunda. Os filhos das mulheres consumidoras crônicas podem apresentar problemas de comportamento. Produz alterações na resposta imunológica, apesar da sua importância clínica ser desconhecida.

 

Efeitos psíquicos: nos fumadores crônicos, o consumo pode provocar um empobrecimento da personalidade (apatia, deterioração dos hábitos pessoais, isolamento, passividade e tendência para a distração). Esta situação é semelhante à dos consumidores crônicos de outras drogas depressoras. Alguns autores denominaram-na como “síndrome amotivacional”, mas hoje em dia, devido à falta de especificidade nas alterações que descreve, este termo caiu em desuso.

Dependência

Provoca uma síndrome de abstinência leve (ansiedade, irritação, transpiração, tremores, dores musculares). A tolerância em relação aos efeitos da droga só ocorre nos grandes consumidores. Já que o seu mecanismo de ação no sistema nervoso se faz através de receptores específicos, não existe tolerância cruzada com nenhuma outra droga.

Tendo em conta o elevado número de pessoas que consomem derivados da cannabis, são muito poucas as que procuram ajuda para deixar o consumo, fato que indica o seu escasso poder de dependência.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Campanha